Home SERMÕES AÇÃO DE GRAÇA E FORMATURA A VERDADEIRA ADORAÇÃO
A VERDADEIRA ADORAÇÃO PDF Imprimir E-mail
Escrito por Pr. Naor Rossi   
Qua, 17 de Dezembro de 2008 08:08

A VERDADEIRA ADORAÇÃO

 

Isaías 6:1-8. INTRODUÇÃO

Saudação: Estou feliz por poder encontra-me novamente com os irmãos e amigos desta igreja.

  1. Frase alusiva: William Temple disse: “Adorar consiste em nos rendermos totalmente a Deus”.
  2. Relato: Dick Winn, autor da Meditação Matinal de 1987 conta que quando ele estava na nona série seu pai arranjou um encontro entre ele e Billy Grahan. Dick pensava em se tornar um pastor, por isso seu pai supôs que o contato com o grande evangelista poderia inspirá-lo. Dick se colocou na fila para poder falar com o grande evangelista. Enquanto esperava, uma pergunta estava em sua mente que o deixava com grande apreensão:  Como deve alguém agir na presença de uma pessoa importante?
  3. Texto: Em Isaías 6:1-8 temos um relato de alguém que se colocou na presença de Deus, vamos ler.
  4. Esta manifestação da glória divina foi manifestada a Isaías quando ele foi aos sagrados recintos do Templo em Jerusalém. Deus tinha um propósito de dar a Isaías uma visão mais ampla  da que estava acontecendo ao seu redor.
  5.  Deus queria mostrar que apesar de todos os problemas que Isaías  estava passando, Ele continuava sendo supremo em Seu trono e que debaixo de Seu domínio estavam todos os assuntos terrenos.
  6. Proposição: A verdadeira e genuína adoração é o resultado de uma resposta individual do encontro com a santidade de Deus.
  7. Pergunta de transição: Como deve alguém agir na presença de uma pessoa importante como Deus? Será que temos o direito de esperar receber algo ao freqüentarmos os cultos?
  8. Frase de transição: Com base no relato do profeta Isaías “na sala do trono”, podemos detectar os (ou quatro) resultados de uma adoração genuína.
I. SENSAÇÃO DA PRESENÇA DE DEUS

Lição: Quando nos reunimos para adorar, devemos esperar sentir a maravilhosa presença de Deus.

  1. Texto prova:  Isaías 6:1-4 diz que “Eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as orlas de Suas vestes enchiam o templo”. “Os Serafins clamavam Santo, Santo, Santo”. “Os umbrais das portas se moveram e a casa se encheu de fumaça”.
  2. Temos aqui um texto que serve para renovar dentro de nós a esperança e a restauração quando tudo parece perdido.Isaías recebe uma visão em lhe são mostradas coisas celestiais em formas terrenas e simbólicas.
  3. Isaías tem conhecimento da morte do rei Uzias, e logo, cônscio, ao que parece, do desgosto nacional ante as dificuldades e perigos que a nação tinha agora que enfrentar, penetra nos átrios do templo para adorar a Deus e obter uma resposta.
  4. É então que brilha perante os seus olhos a visão relatada neste capítulo. Pouco antes, oprimiam-no o abandono a que o país se encontrava votado, e com o trono vazio. Mas agora vê o Senhor Deus nas alturas, com todo poder do universo às suas ordens. No pensamento e ânimo do profeta agigantava-se neste momento a consciência da santidade do Deus de toda a terra.

     

  5. Deus é chamado de Senhor (Adonai) , isto é,  aquele que domina sobre todas as coisas em majestade e poder reais. Em João 12:41 se diz que Isaías aqui viu a Cristo. Isto nãoé estranho, pois Cristo, como palavra não criada, participa da personalidade divina. Aqui a manifestação da divindade revela-se claramente na pessoa de Cristo, Filho de Deus.
  6. Deus está em toda parte mas quando Isaías diz que viu “assentado sobre um alto e sublime trono” Este relado acentua a certeza da soberania do Senhor Deus. Só há um dominador que rege o rolar incessante da história.
  7. “E as orlas de Seu manto enchiam o templo” – A palavra Hebraica usada aqui é hekal, comumente usada para referir-se ao templo. Designa este lugar como “templo”  do grande Rei do Céu, santuário celestial. As orlas de Seu manto são as vestimentas da infinita glória de Deus.
  8. A palavra Serafim significa literalmente “os que queimam”. A base desta palavra é o termo hebraico sarap, “queimar”. Aqui os serafins são os atendentes de Deus. O seu ministério incessante era adorar e louvar ao Senhor e revelar Sua glória.
  9. “Santo, Santo, Santo” – Apresenta o principal atributo divino: Perfeita santidade de caráter.
  10. “Os umbrais das portas” – Pedra horizontal onde se encontravam os orifícios que giravam os pivôs da porta do templo. As paredes do templo estremecem ante a voz de Deus.
  11. Ilustração: Como já falamos Deus está em todo o lugar, foi por isso que Jesus no diálogo com a mulher samaritana, com respeito ao lugar de adoração, Disse:
    1. João 5:23-24.
  12. Aplicação: Deus não pode ser confinado em um prédio feito por mãos humanas. Entretanto, quando adoramos, devemos sentir a presença de Deus no lugar em que nos encontramos.
    1. O louvor não deve ser entediante e tampouco mero entretenimento.
    2. Ele deve trazer-nos profundo respeito pela santidade, pela majestade, pela alegria e pelo poder do Deus Todo-Poderoso em nosso meio
  13. Diante do trono, da majestade e da santidade de Deus, qual foi a certeza de Isaías?

 

II. CERTEZA DE NOSSA PECAMINOSIDADE

 

  1. Lição: Quando nos reunimos para adorar, devemos estar convencidos de nossa pecaminosidade.
  2. Texto prova: Isaías 6:5 diz: “Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio de um povo de impuros lábios e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!”
  3. Uzias foi um bom rei, mas no final de sua vida degenerou-se e foi julgado por meio da lepra. Uzias insensível diante do pecado, foi julgado.
  4.  Em contraste, Isaías, o profeta do momento, era extremamente sensível diante do pecado, e a visão que ele recebeu tinha por objetivo equipá-lo para sua tarefa naquela hora crítica.
  5. Era a perversidade de seu povo que levava ao servo do Senhor a maior perplexidade e a mais profunda depressão. Por sua apostasia e rebelião, os que podiam ter permanecido como portadores de luz entre as nações, estavam atraindo os juízos de Deus.
  6. Pode parecer estranho, mas quanto mais nos aproximamos de Deus, mais claramente percebemos nossa pecaminosidade.

     

    1.  Quanto mais forte a luz, mais se evidenciam os defeitos.
    2. Foi por isso que o apóstolo Paulo, provavelmente o maior cristão que já viveu, disse sentir-se como o pior dos pecadores I Tim. 1:15.
    3. Quem se gaba de sua bondade e pureza, dá provas de não ter contemplado a bondade e pureza de Deus.
  7. Ilustração: Paul Eshlman, responsável pela distribuição de milhares de exemplares do filme JESUS pelo mundo, relata uma ocasião em que o filme foi exibido em uma campo de refugiados em Moçambique, na costa sudeste da África.
    1. Embora muitos dos presentes nunca tivessem ouvido o evangelho, apaixonaram-se por Jesus através daquele filme.
    2. Na cena em que o Senhor é preso, maltratado e levado para o Calvário, a platéia começou a chorar e se lamentar, e muitos correram em direção à tela.
    3. Devido a tamanha comoção e à grande quantidade de poeira que a platéia levantou, a equipe de Paul   Eshleman teve de desligar de desligar o projetor. Os espectadores passaram mais de meia hora de joelhos, chorando e confessando seus pecados.
    4. Os membros da equipe de projeção e os conselheiros tentaram se aproximar daquelas pessoas e orar por elas, mas Deus se manifestou de tal maneira que eles também se prostraram, confessando os pecados e glorificando o grande poder de Deus.
    5. Disseram os conselheiros a Paul Eshleman:

1)      “A presença do Senhor foi tão forte que não conseguíamos fazer outra coisa a não ser confessar nossos pecados”.

 

  1. Aplicação: Quando nos vemos diante de Deus é impossível deixar de reconhecer o quanto somos pecadores.
  2. Depois de reconhecer sua pecaminosidade o que ficou marcado na vida de Isaías?

 

III. UMA AGRADÁVEL LEMBRANÇA DA GRAÇA DE DEUS

  1. Lição: Quando nos reunimos para adorar, devemos sentir-nos purificados de nossos pecados e livres da culpa.
  2. Texto prova: Isaías 6:6-7 diz: “Então, um dos serafins voou para mim, trazendo na mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz; com a brasa tocou a minha boca e disse: Eis que ela tocou os teus lábios; a tua iniqüidade foi tirada, e perdoado o teu pecado”.
  3. A brasa foi tirada do altar de incenso e representava o poder refinador e purificador da graça divina. Significa também, transformação de caráter ao prestar adoração
  4. Isaías sentiu-se deixado a sua própria imperfeição e ineficiência, seria inteiramente incapaz de permanecer diante de Deus pois o seus pecados e os pecados do povo de Deus lhes acusavam a mente. Mas um Serafim foi enviado para libertá-lo de sua angústia, e capacitá-lo para a sua grande missão. Uma brasa viva do altar foi colocada sobre seus lábios e a sua iniqüidade foi tirada, e purificado o seu pecado.
  5. Se você veio para adorar a Deus e seus pecados estão acusando sua mente. Lembre-se a brasa viva do altar de Deus, a graça de Jesus, pode lhe perdoara todos os pecados
  6. Ilustração: Paul Eshleman disse que passada aquela meia hora, eles deram continuidade à exibição do filme para que os refugiados pudessem saber o final da história.

     

    1. Nós já sabemos o final, mas os refugiados não sabiam.
    2. Ela não termina com um Jesus morrendo em uma cruz, mas sim com a ressurreição dos mortos.
    3. Quando os refugiados se deram conta disso, foi como se uma represa houvesse rompido. As pessoas começaram a festejar, a se abraçar, pulando e saltando.
    4. Quando fizeram o apelo, praticamente todos vieram à frente.
    5. No culto seguinte 500 novos convertidos compareceram à igrejinha naquele campo de refugiados, que, até então contava com apenas 40 membros.

       

  7. Aplicação: Não podemos apenas reconhecer que somos pecadores, temos que ter a certeza de que nossos pecados foram perdoados.
    1. A celebração do culto deve levar-nos a nos arrepender dos pecados , mas isso não é o bastante. Devemos voltar para casa, hoje, exultantes por saber que , se nos entregarmos a Cristo, “o sangue de Jesus... nos purifica de todo pecado” I João 1:7.
  8. Depois de ter os seus pecados perdoados, qual foi o estímulo de Isaías

 

IV. ESTÍMULO PARA SERVIR

 

  1. Lição: Quando nos reunimos para adorar, também devemos ser estimulados a servir.
  2. Texto prova: Isaías 6:8 diz: “Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Disse eu: eis-me aqui, envia-me a mim”.

     

  3. Deus estava disposto a dar uma esperança e o perdão desde que alguém se prontificasse a colocar-se entre a apostasia e a ira de Deus contra o pecado. Isaías foi esse homem escolhido por Deus.
  4. Ele trouxe mensagens de reprovação, mas trouxe, também, mensagens de esperança, conforto e perdão desde que o povo aceitasse e vivesse em conformidade com o concerto de Deus. Havia esperança, o Messias viria para completar a redenção de Seu povo.
  5. Aplicação: Em vez de ter vontade de criticar , os verdadeiros adoradores deixam a igreja sentindo-se estimulados a compartilhar o evangelho com os perdidos e assistir os que sofrem.
    1. EGW Diz: Deus requer que Seu povo brilhe como luzes no mundo. Não é somente dos pastores que isso se exige, mas de todo o discípulo de Cristo. Sua conversação deve ser celestial. E ao passo que desfrutam comunhão com Deus, desejarão comunicar-se com seus semelhantes, a fim de exprimir, por palavras e atos, o amor de Deus que lhes anima o coração. Por essa maneira serão luzes no mundo, e a luz transmitida por meio deles não se extinguirá, nem lhes será tirada. Testimonies, vol. 2, págs. 122 e 123.
  6. Ilustração: Peter Marshall fez a seguinte oração perante o senado americano:
    1. “Senhor, agradecemos por podermos nos apresentar diante de ti exatamente como somos. Entretanto, lembra-nos de que não devemos sair da Tua presença como entramos”.
  7. Quando alguém vai à igreja procurando encontrar a Deus, deve voltar para casa transformado por ter desfrutado de Sua presença.

CONCLUSÃO

 

  1. Recapitular:  Se a verdadeira e genuína adoração é o resultado de uma resposta individual do encontro com a santidade de Deus!
    1. A glória de Deus não se centraliza em Seu poder consumidor; centraliza-se nas qualidades de Seu caráter. E o Seu caráter é impelentemente atrativo. Por isso temos alegria de estar na presença de Deus.
    2. Embora tenhamos a certeza de nossa pecaminosidade e a existência de  um abismo entre nós e Deus, não é de Sua escolha, nem deseja Ele que este abismo permaneça.
    3. Quando sentimos a presença de Deus através da adoração, devemos voltar para casa exultantes com uma agradável lembrança da graça perdoadora de Deus.
    4. E ao vivermos a graça de Deus em nossa vida somos estimulados a servir o nosso próximo.
  2. Aplicação: A Bíblia nos diz que Cristo sempre fez a vontade do Pai. Sempre esteve em comunhão e adoração com Deus.
    1. Jesus veio para revelar-nos cada aspecto da glória do Pai que nos era importante conhecer. Contudo isto não nos intimidou, aterrorizou, nem nos repeliu.
    2. Jesus sofreu por nossas transgressões e venceu a morte.
    3. Jesus veio e se misturou com as multidões e atendeu as suas necessidades e disse: “Todo o poder Me é dado no céu e na terra. Ide por todo mundo e pregai o evangelho... Fazei discípulos, batizai e ensinai todas as coisas... Estou convosco todos os dias até a consumação do século.” Mat. 28:18-20.
  3. Apelo: Irmãos! Hoje quero fazer um apelo, individual, a cada um de vocês! Apelo para que você deixe Deus ser o Deus da sua vida.
    1. Apelo para que você possa sair daqui com a lembrança da graça perdoadora de Cristo.
    2. Apelo para que você, com o poder do Espírito Santo, possa se relacionar com os pecadores e mostrar que a salvação é para todos aqueles que nEle crer.
    3. Quantos gostariam de tomar essa decisão?
    4. “Entre para adorar e saia para servir”. Oremos.

Propósito Específico: Como resultado deste sermão espero que os membros de minha igreja adorem a Deus e testemunhem do encontro com Deus em sua vida diária.